Grand finale

Que eu mantenha viva
a chama da felicidade
porque qualquer problema pra mim
vale menos que a metade

Nada é eterno e doloroso,
o desconforto pode ser prazeroso
se encarado com naturalidade

Bem ou bem, tudo nessa vida muda
transforma e progride,
tolo é quem insiste nos mesmos hábitos,
transforma o ontem no hoje
e o novo hoje, vira um alarde

Sei que pra você eu sempre faço pouco,
bem menos do que eu poderia,
mas antes de ouvir a sua crítica…

Escuta a minha?

O meu passo não é o seu passo,
meu ritmo não é o seu,
se você pensa em dançar comigo,
ajusta a saia justa que você me deu

Dois movimentos sem alegria
de nada valem na harmonia,
não desenvolvem nem o grand finale

A arte da crítica construtiva será sempre bem-vinda
sem falso moralismo ou fantasia, mas também sem crueldade;
porque de falsos juízes a vida está cheia, de dedos em riste,
notas e conceitos, mas quem garante a adrenalina do sangue nas veias…

Não sabe que é o imprevisível que de fato incendeia!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.