Primata

Só a sua presença basta,
não preciso de nada mais,
apenas nossas trocas de olhares,
nosso romance mudo se descobre
tão falante, já não sou imune

Há coisas que não precisam ser ditas,
a curiosidade nos intriga,
quase não posso controlar
essa minha grande vontade…

Nossas bocas se contraem
para que o coração relaxe,
as mãos se apertam para dar
folga ao sapato contraído

Respirar já não é mais fácil,
cada pedaço de tempo que se passa
é o ar que rasga as nossas vias;
Repertório nenhum nos embala

A afliação, angústia vem da vontade
animal que não sabe como o homem o controla;
São momentos que por ora não cabem reflexão

É seu animal ancestral correndo perigoso,
e eu também me sinto presa, surpresa;
Todos nós estamos sob ameaça,
quero extinção desse frenesi que me paralisa

Mas tenho medo de ser alvo
do primata outro, que me mata de medo
e ainda romantizam isso,
chamando de amor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.