Camaradagem

A gente dá um tempo e volta,
três, seis meses, um ano
vício que retorna

Vou parar de você,
eu tenho força de vontade
sou eu quem manda em mim
com um estalo, sem alarde

O pensamento depois de um tempo
bate como pêndulo, eu quase,
quase acreditei que conseguiria
– e eu consegui pra falar a verdade –

E não tenho porque lhe aceitar de novo,
eu já consigo ser independente,
contente por não viver você mais

Mas pode vir,
eu permito mais de uma vez,
o magnetismo que nos puxa pela arte
explica esse sim,
camaradagem

Quero saber como anda
aquela energia que me tornou
poeta certa vez, até certo ponto;
Se ele anda fazendo versos bêbados
ou se está bêbado fazendo versos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.