Overdose de hormônios

Ainda tem o seu cheiro no meu quarto
Não é questão de saber a marca do perfume
O meu olfato ficou apurado,
do nosso encontro não saiu impune

É preciso ir além de simples borrifadas
A minha alma ficou calada
tentando identificar a combinação
de uma colônia com a sua pele

Entrou por minhas vias
como uma espécie de droga olfativa,
contaminando tudo por dentro

Desta química não quero me curar,
nenhum encontro anônimo,
vou mesmo me identificar
em overdose de hormônios

Essência

O seu perfume me embriagou dominante,
ainda o sinto forte na memória,
agitou todo o meu sangue,
despertando meu instinto animal

Você tem o cheiro de Campos,
das matas invadidas à noite,
e o seu hálito quente ao meu encontro
se deteve ao borbulhar nas minhas veias
o desejo da liberdade

Do ponto que nossos corpos se encontraram
em esbarrões involuntários e propositais,
a sua pele fina e macia em contato com a minha
fez carinho.

Não esperava tudo isso,
nem sabia ser capaz de potencializar
normas comuns do corpo,
– de humano tenho pouco –
— Sou Poeta —

Esta essência impregnada em você
tornou-se inconfundível a mim
como quem sabe reconhecer de longe
a pessoa que vem distante
capaz de me seduzir alucinante

Ajudante

As tuas bênçãos, meu Pai, agradeço!
O apreço que tens por mim, agradeço!
Por ter me dado muito mais do que mereço, agradeço!

As minhas recompensas, agradeço!
Por teu zelo, carinho, agradeço!
Por confiar a mim tantos desafios, agradeço!

Por me motivar, me dar força,
por fazer de mim vitorioso, agradeço!

A propósito Pai, sei que demanda
sob mim as tuas vontades,
mas não tens me isolado,
pelo auxílio, agradeço!

Sou guiado por ti, meu Pai,
nada mais; Me leva,
eleva a Ti, por mim,
permito-me.

Pai, em mim apenas a certeza
de que sem ti não poderia
nem mesmo metade do que me propõe

Agradeço por me dar condições
de a ti ser devoto,
obrigado pelo voto de confiança

Por me abrir portas sem pedir duas vezes,
por tocar quem precisa me dar passagem
por me permitir seguir por ti,
agradeço por ser assim, seu ajudante

Sem honras, sem fantasias,
mérito apenas de tua boa vontade
para fazer das minhas necessidades
apenas te servir.

Antecipação

Novecentos e noventa e nove poemas,
e quantos deles pra você, quantos?
O milésimo, o mais importante…

É pra você, o milésimo, marcante
escrevo fora de ordem, fora de hora,
você antecipou a marca, o ponto,
pronto, é o poder do coração

Visitar o futuro sem ter vivido o presente,
e falar de passado com você, ser condizente
com tudo o que já lhe disse, com tudo que preguei

Prematuro o rio desceu fluente,
entrou nos mais finos versos
sem pedir licença ao tempo
cronologia que não se respeita

Aceita o meu corajoso ato
de atender primeiro ao milésimo fato,
antes de outros oito calos poéticos

Prioridade para o sentimento sublime,
não há como deixar mais pra frente,
ele vem, o de número mil, assim mesmo
como quem não viu o papel que pegou

Empurrou, jogou pro canto
e eu espero que não cause tumulto
nem espanto, se ele for pra você
que merece outros mil tantos poemas,
despertou em mim outra fase de poeta
para renovar palavras não ditas d’alma