A primeira vez

Enquanto cultuam o corpo
eu faço amor com a mente
e com ela eu me caso, a palavra

E com ela faço mil loucuras,
realizo-lhe os sonhos gratuitamente

Viajamos contentes para qualquer ponto
mas é claro que ela também fica enciumada,
mas não por muitas horas…

Trocamos sempre carícias constantes
mas esse meu tom ela já denunciou muito…

O que nos agrada, mutuamente, é essa amizade,
essa entrega tranquila sem a obrigação do casamento
que já dura, é verdade, longo tempo…

Era virgem das letras, do corpo, talvez
mas do corpo, quem sabe, a carne basta…
Das letras, no entanto, nem que eu me deite
e me deleite por anos, jamais serei experiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.